quarta-feira, dezembro 28, 2016

Coaxos no Bairro

15.10.16

Eu estava fazendo rabiscos no meu caderninho de algumas coisas que fossem divertidas para comer, o tipo de comida em que as mães fazem os legumes parecerem legais e engraçados a ponto de se tornarem visivelmente deliciosos. Abruptamente, o Leão - meu cachorro - começou a latir desenfreadamente - como de costume e logo parou. Após ter minha concentração interrompida por latidos, outros ruídos começaram a me atrapalhar. Parece arrogância se irritar com os ruídos da natureza que começam pela manhã, principalmente porque nunca tive tal sensação antes. Isso me faz pensar se gostaria mesmo de morar na floresta. Sim, eu gostaria. 

Em busca de ao menos saber quais sons eram aqueles, parei os rabiscos, abri a janela e passei a ouvir atentamente. Eram coaxos! Quem diria, às 5 horas da manhã haviam sapos por entre os telhados das casas do bairro Jardim Itaparica. Logo descobri e confirmei tal suposição quando desloquei-me até as escadas que davam para a casa de baixo e pude ver, por detrás do baixo muro, alguns sapinhos que pulavam e coaxavam desesperadamente sobre as telhas. Pulavam entre telhados de casas e paredes. Não os observei muito pois a falta de luz me impedia. Rápido notei, havia chovido durante a noite enquanto eu estava acordada mexendo no celular! 

Na divisa entre Jandira e Itapevi, região onde moro, há um escuro e denso córrego tão poluído que nem sei como vivem animais ali. Acho que um dia existiram peixes mas, até onde sei, hoje existem apenas esses sapinhos de que falei. Voltei para a cama e, como os coaxos, assobios, e vários outros ruídos iam ganhando mais vida, decidi guardar o caderninho e comecei a digitar este texto. O sono que me assolara durante toda a noite sem ser 'ouvido' retorna neste exato momento, bem quando fechei a janela que já permitia às luzes sua entrada no meu quarto. Penso agora se é melhor ir ao curso ou ao café da manhã de professores da batista. Estudar é minha vida e, se eu for ao café da manhã é por puro interesse na comida - digo, comunhão.