Quando fomos ao Teatro com a Escola

19-6-16

Não sei o que deduzir de hoje. Estou confusa e não entendi nada. Não esperava que ocorresse algo de especial. Mas, naquele momento pensei "bem que ele poderia fazer alguma coisa...". E nada aconteceu. Como da última vez, enfrentei sozinha novamente. E senti medo. Não tanto quanto o sentimento de decepção. É forte demais dizer "decepção", e talvez este não seja o adjetivo de transição mais adequado - nem sei se ele pode ser definido assim. E não pode, mas vai ficar aí.
Fico sempre tentando mostrar pra todo mundo que sou auto-suficiente, que não dependo de ninguém. Mas, quanto mais íntima fico de você, mais te preciso. E isso não é poético. Não é bonito. Se ao menos estivesse solteira, era obrigação minha ser independente de todas as formas.  
Essa é a realidade, ninguém consegue ser parte de outra pessoa sem se doar, abrir mão de várias coisas, inclusive de sua independência. 
O problema é que nesses momentos, que eu não esperava uma atitude mas que deveria ocorrer, sinto vontade de ser solteira porque não suporto a ideia de estar namorando e estar sozinha em várias das minhas fragilidades ao mesmo tempo. 
Acho que não exijo muito...pelo menos tento não demonstrar que exijo...queria mais atitude, e essa é uma das primeiras vezes que concordo com algumas coisas que as pessoas dizem. Agora precisava de você, e você provavelmente  está na sua casa, trocando de roupa e tomando leite para ir dormir. 

*típico de crianças, crianças velhas que namoram*

Postagens mais visitadas deste blog

Sinta a sua dor - DIÁRIO #1

o que você fez com a sua dor? - da página Textos cruéis demais para serem lidos rapidamente

Coaxos no Bairro