sexta-feira, maio 05, 2017

Mais um poeminha - errado - em inglês

Estava tentando bolar uma estratégia de ficar estudando para o vestibular muitas horas por dia e mesmo assim me dedicar a escrita, a música e a fotografia. Como de praxe, fiquei mais confusa ainda sobre qual carreira iria seguir, se realmente valeria a pena abrir mão de tanta coisa... grande novidade, mais uma dúvida pro meu hall de questões. O grande ponto é: eu estava planejando uma rotina que com certeza iria me engolir. Tal plano era: estudar 10 horas por dia, e o que sobrar servirá para dormir, comer e fazer coisas da igreja. Mas enquanto eu fazia planos mirabolantes para estudar 10 horas por dia, meu lado - digamos - "artístico" começou a florescer. E então escrevi isso...

Foto: Yasmim Lepique. | Era aniversário da linda criatura que tirou essa foto <3 | *estava em arquivo NEF, tive preguiça de converter e tirei print mesmo + cortei no PAINT*

ps.: Não sou profissa em inglês, blz!? 

[inglês]

"What I do about art?
  • music, always playing
  • writting, always with my cellphone notes
  • photograph, always with some camera
Ok, I'll be back to my art
To my soul
To my mind

I had a bunch of days with no thinking
It wasnt so good
I wasnt fine

Now I want get back to my own things
To my life
To my person

I just wanna go out
And continue my art soul
Even the poesia hurting me, cause I cant live without it."

[português] - traduzindo só porque é mancada com quem estiver lendo e não entender, mas quando escrevi, foi em inglês.
ps.: Não me parece tão "poético" em português E NÃO DÁ pra traduzir ao pé da letra.

"O que faço relacionado a arte?
  • música, sempre tocando
  • escrevendo, sempre com o "notas" do meu celular
  • fotografia, sempre com alguma câmera
Ok, voltarei pra minha arte
Pra minha alma
Pra minha mente

Por dias, deixei de pensar
Não foi bom
Eu não estava bem

Agora quero voltar para as minhas próprias coisas
Pra minha vida
Pra pessoa que sou

Só quero sair por aí
E continuar minha arte
Mesmo torturando-me a poesia, não posso viver sem ela."


Esses versos foram libertadores pra mim, de certa forma. Na verdade eu não estava vivendo - de fato - a realidade (talvez ainda não esteja, haha), foi o princípio da minha aceitação de que não consigo viver longe da arte. Não importa o que mais eu faça da minha vida, não dá pra viver longe da minha poesia.